Consenso

Estudando o fenômeno social pesquisadores das Univesidades da Pensilvânia e Londres concluíram que para em uma população se alcançar a transformação de consenso, um número mínimo de pessoas comprometidas com determinada ideia elevariam seu critério de minoria a um ponto de inflexão chamado de massa crítica suficiente e aceito pela maioria. Quer dizer existiria um limiar na mudança social separando sucesso de fracasso, abaixo deste limite prevalece a minoria. Análise na revista Science quantifica o envolvimento em um quarto da população ou 25% para mudança rápida no convencimento da maioria.
Por sua vez, estudiosos do assunto avaliaram que nos últimos 50 anos a mudança social é decorrente do compromisso de pequenos grupos com novas normas sociais. Usando métodos computacionais e analíticos na descoberta do ponto de inflexão de uma crença minoritária visando tornar-se maioria, cientistas do Rensselaer Polytechnic Institute observaram que 10% da população com crença inabalável, leva a maioria da sociedade a sua aceitação. Daí observam que as diferenças no tamanho do grupo determinam sucesso ou fracasso, sendo os fatores que estimulam o propagar da mudança encontram força nas redes sociais se atingirem segmentos ótimos da sociedade. A ideia, segundo pesquisadores, de que o ponto de inflexão aciona intervenções dos ativistas funciona em ambientes reais quando livres de intervenções externas, como exemplo a força de iniciativas dos governos. Tais estudos implicam na influência de interações sociais desde a disseminação das inovações ao movimento dos ideais políticos, daí a crença que detentores de grupos de opinião inferiores a 10% tornam a disseminação de ideias prejudicada, se espalhando acima disso. Exemplo disso foi na crise migratória Européia e na Primavera Árabe. Tudo porque opiniões impopulares tendem a ser englobadas pelo consenso.
Estudos comportamentais indicam ainda que a eficácia dos fatos implica na sua integração a uma narrativa. Vale a primeira impressão por conta da crença do que se quer ouvir, fato tão real que Churchill supôs-se em erro. Isto decorre ao fato que a recepção de informações pelo cérebro na primeira vez, deixa uma silhueta gravada na qual tudo que sabemos deverá se encaixar. Vivenciamos uma história e as peças necessitam encaixar, daí fatos ignorados pela inadaptação do que se pensa sem se importar com a verdade. Tomamos a direção conveniente a nossos interesses criando escudo protetor contra manipulação, pela necessidade de encaixe do que sabemos do mundo. Pesquisadores acreditam que mesmo embasado nos fatos só o trabalho jornalístico não é suficiente, necessita efetividade a integração a uma narrativa com argumentação persuasiva e associada ao carisma. Sobre este aspecto é oportuna a mudança climática e sua aceitação pelos céticos em que falharam todos argumentos científicos. Até que a encíclica ecológica do Vaticano fez crescer 10% nos EEUU a convicção que efeito estufa é prejudicial, sendo que 13% entre os católicos passaram a acreditar que o dano é real. Quer dizer, liderança carismática em um círculo de identidade. A crença científica indica ser contraproducente falar em catástrofes ou ameaças, sendo mais eficaz mensagens de que combater efeito estufa trará avanços científicos e econômicos, coesão e valores comunitários além óbviamente de trabalho.

Anúncios
Esse post foi publicado em geral e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s