Burocracia e soluções

Recente noticia nos dá conta que russos e indianos firmaram o que chamaram de corredor verde, em que promoveriam o comércio bilateral com o mínimo de burocracia possível, facilitador das trocas entre os dois países. A respeito da velha notícia que burocracia empata os investimentos, o recém empossado governo peruano busca estabelecer um projeto chamado balcão único para procedimentos como royalties flexíveis de contratos, incentivos à exploração mineira e etc. A sociedade de Mineração e hidrocarbonetos peruana, avisa que há 20 bilhões de dólares em projetos esperando solução, segundo eles, por obstáculos burocráticos e ambientais. Especialistas peruanos dizem que há para a chamada permitology ou liberação de determinado projeto, uma gama de até 30 autorizações, sendo a maioria delas ligadas à questões ambientais. A outra questão se refere a procedimentos regulares em orgãos públicos, que podem levar até três anos enquanto a média ideial seria, segundo eles, de 6 meses. Por fim, em discussão neste país a licença social que é uma consulta à comunidades próximas por futuros projetos de mineração.
Na trilha da burocracia e ambiente, a OMS diante notícias que a poluição do ar é responsável por uma em cada nove mortes, cerca de 6,5 milhões de pessoas no mundo, lançou uma campanha de conscientização e promoção de energia limpa, priorizando os mais pobres. Em cima de transporte e habitação visando modernizar o sistema de mobilidade, melhorando a qualidade do combustível e evitando nos mais pobres, queima de madeira, lixo e resíduos agrícolas. A campanha envolve principalmente cidades como Santiago, México, Katmandu, Oslo e Daca. Caso os mais pobres eliminem o uso do carvão no aquecimento das casas, a queda da mortalidade é imediata.
A tensão entre agronegócio, economia extrativista, comunidades e ambiente versus burocracia, ainda parece que levará muito tempo em pauta. O capital reclama que estas questões atrasam investimetos e por conta, o desenvolvimento. Em contra partida, o outro lado da corda fala como contraposição, em ação predadora. Decerto a conscientização um dia deverá encontrar um ponto de equilíbrio com perdas certamente econômicas, pois o contrário, o desmatamento e o extrativismo desenfreado acabam por caír na ilegalidade.

Anúncios
Esse post foi publicado em geral e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s