Estigma

A associação francesa ATD Quarto Mundo, seguindo seu presidente Pierre-Yves Madignie dentro da ideia que, “combater preconceitos é combater a pobreza,” produziu uma pesquisa a respeito do estigma contra os pobres neste país. 97% dos franceses possuem pelo menos um preconceito contra os marginalizados. 71% acredita que eles têm mais facilidade em obter ajuda governamental, enquanto 63% pensa que o seguro saúde os incentiva não trabalhar. 68% dos que teriam direito ao benefício, por desconhecimento ou medo do estigma, não o fazem. Pela pesquisa, os franceses acham que os mais pobres têm muitos filhos para usufruir benefícios do governo. Por falar em estigma, por lá, segundo a enquete, os menos abastados são taxados como incapazes criando barreira que dificulta o acesso a direitos fundamentais. A França possui perto de 8,5 milhões de precários ou 14% da população.
Dos bancos escolares nos vem a ideia que os franceses idealizaram uma revolução cujo lema era Liberdade, Igualdade e Fraternidade, que nortearia um sistema de governo sem privilégios chamado República. Tal sistema, teria uma Assembléia cujos representantes seriam escolhidos livremente pelo povo, com os favoráveis ao governo do lado direito e os contrários do lado esquerdo. Debateriam livremente seus pontos de vista e votariam de acordo com suas consciências pelo bem comum.
Ao que parece, nem eles sabiam direito o que significavam as três palavras mágicas. Não esclareceram se Liberdade era o direito de fazer qualquer coisa, se Igualdade era todos vivendo do mesmo jeito e se Fraternidade era viver de padrão familiar genético ou conviver respeitosamente. Com isto, passaram das ideias à prática iniciando uma revolução com a guilhotina funcionando no centro da praça.

Anúncios
Esse post foi publicado em geral e marcado , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Estigma

  1. Republicou isso em TonyWriter1946e comentado:
    Tanto o slogan da Revolução Francesa (Liberté. Egalité, Fraternité), como o materialism dialético de Karl Max foram capazes de criar a plataforma para a verdadeira felicidade… Nem o Cristianismo, dado o seu fiasco de entronização do Dogma V desprezo pela lei do Amor… nada conseguiu ainda recolocar-nos no caminho da felicidade perdida após a negação da simplicidade dos primórdios – o Paraiso Perdido. Em “Cometa-em busca da felicidade” (p.331, 332,333), este tema é explorado, e, no parecer do autor (AA DaSilva), o “abraço da Terra-Mãe” e a “Filosofia do Dia” parecem ser dois guias de grande valor.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s