Evolução

O Mitraismo consiste em uma religião originária no Iran, que segundo se acredita, chegou a Europa através da difusão de sua rival, o Zoroastrismo. Trata-se de uma religião bastante aceita entre os soldados do Imperio Romano com a característica de ser uma religião basicamente masculina.
Segundo a lenda, a perda de espaço do mitraismo para o cristianismo está justamente no fato do segundo aceitar a participação feminina, mesmo porque, na própria história do Cristo a mulher exibe forte participação. A decadência do mitraismo no Império Romano decorre pela forma com que Constantino apoiou o Cristianismo nos finais do século III/IV dc.
O interessante das religiões chamadas iniciáticas era sua transmissão oral, não sendo garantida que esta forma de transmissão dos conhecimentos pudessem ser modoficados com esta prática, isto é, não está garantido o rigor histórico ou sua transmissão e de suas práticas rituais. O ponto mais interessante entre o desenvolvimento do Mitraismo e suas similitudes com o cristianismo, são talvez, um sinal de que uma se origina da outra, isto é, o cristianismo por ser uma crença de massas desenvolveu-se ou incorporou rituais mitraicos.
Alguns pontos chamam a atenção em relação a estrutura e crenças que são: segundo ensinamentos mitraicos, o deus Mitra ao nascer foi adorado por pastores, o mitraismo prega o ‘Transitus’ que consiste na viagem de Mitra com um touro sobre os ombros recordado nos evangelhos cristãos pelo calvário de Cristo. Outro ponto em comum com o cristianismo é que o mitraismo se definia como a religião da salvação em que havia o sarifício do touro nas mãos de Mitra, como analogia a paixão vivida por Cristo, cujo objetivo último é a redenção e imortalidade. Haveremos de notar ainda o banquete ritual mitraico feito entre os adeptos, semelhante a eucaristia cristã, e tal qual o cristianismo, o mitraismo adota o domingo como dia sagrado e 25 de dezembro como data natalícia de Mitra, não desconsiderando que sua mãe era virgem e foi chamada mãe de Deus.
Outras semelhanças estão entre as que Mitra era o laço de união entre Deus e o povo crente como representante de Ahura Mazda na terra, e tal qual o Cristo, foi enviado para salvar os mortais, e com seu sacrifício, produzir a redenção do gênero humano. O Pater ou Pai ocupava como no cristianismo o nível máximo da iniciação usando o gorro frígio a vara e o anel semelhantes a mitra o báculo e o anel dos bispos cristãos. Lembramos ainda que o Mitraismo representa uma cruz em um círculo que simboliza o sol, sendo suas quatro extremidades a representação do ano solar; no cristianismo a cruz representa o sofrimento.
Estas semelhanças entre cristianismo e mitraismo são incorporadas por rituais do fogo oriundos de outra religião persa o Zoroastrismo, chamada religião do fogo, que tornaram através de Constantino a religião oficial do Império Romano. Recordar é viver, diremos que o catolicismo derivou de elementos do Mitraismo e Zoroastrismo com crenças de estado, como dizia com muita propriedade Lavoisier “Nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”.

Anúncios
Esse post foi publicado em geral e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s