O Costume

Todo costume iniciou de alguma forma com alguém, que por determinada razão, passou exercer ação como corte de cabelo ou algum ritual e através de uma motivação, passa a praticar ou exercitar aquela ação que se torna imitada pelos demais, e portanto, levada a gerações futuras de forma inconsciente.
Um exemplo de costume na antiguidade é a amputação de um membro de um ladrão como castigo e servindo de arquivo para em caso de reincidência. Tal prática provém da Idade Média tendo como objetivo punição e marcar os condenados avisando àquela sociedade sobre o passado de determinada pessoa, e muitas vezes, promovendo a exclusão social. Com o passar dos tempos evoluíram para tatuagens que por seus diferentes formatos serviam para diferenciar as penas e delitos cometidos pelo réu. Importante lembrar que no caso das tatuagens, serviram para outras finalidades além dos delitos, procurando também identificar grupos sociais e pessoas que já viveram em mendicância. É fato que o costume ou hábito acaba de uma forma ou de outra relacionados a alguma forma de verdade, de certeza, de bem fazer determinada atividade, daí seu poder devido a repetição, influenciando ações humanas e criando aquilo que chamamos de preconceito.
O preconceito nada mais é do que o fechamento prévio a qualquer forma de elasticidade mental. Ao ser apresentada qualquer ideia ou atividade inovando um modo de viver, esta, imediatamente é rejeitada, simplesmente por tentar abrir discussão em uma comunidade, pois é tendência de grupos humanos, a imobilidade ou inércia de viver. Toda forma de mobilidade em determinado grupo de populações é imediatamente rechaçada sob o argumento de levar anarquia ou destruição àquele determinado grupo.
Termino por relembrar Tucíades com o dito: “O regime político que nós seguimos não inveja as leis dos nossos vizinhos, pois temos mais de paradigmas para os outros do que de seus imitadores. O seu nome é democracia, pelo fato de a direção do Estado não se limitar a poucos, mas se estender à maioria; em relação às questões particulares, há igualdade perante a lei; quanto à consideração social, à medida que cada um é conceituado, não se lhe dá preferência nas honras públicas pela sua classe, mas pelo seu mérito; nem tão pouco o afastam pela sua pobreza, devido à obscuridade da sua categoria, se for capaz de fazer algum bem à cidade.”

Anúncios
Esse post foi publicado em geral e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para O Costume

  1. Rodrigo Ferreira disse:

    Interessante abordagem. E o que fez com que o costume de uma pessoa exercesse influência?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s