Desenvolvimento não sustentável

O Mar de Aral constitui um lago terminal formando fronteira natural entre o Kazaquistão e o Uzbequistão. Era o quarto maior mar interior da Terra com 66.1 mil quilômetros quadrados sendo suas águas renovadas e alimentadas pelos rios Amu Daria e Sir Daria.
No Uzbequistão devido ao solo semi desértico, a plantação de algodão irrigada levou a um esvaziamento do mar de Aral. Tal situação foi agravada pelo uso indiscriminado de pesticidas e adubos provocando além da seca, contaminação química dos peixes, da água e da população.
O desvio do curso desses dois rios foi implementado na década de sessenta pela economia planejada soviética, visando projetos de irrigação das plantações de algodão, levando ao esvaziamento do lago de Aral em 90%. O resultado foi que 27 mil km2 secaram e o fundo do mar transformou-se em deserto. A concentração salina dobrou, 60% do volume de água se perdeu e a indústria pesqueira que empregava 60 mil pessoas acabou com o diminuição progressiva da fauna e flora marítima.
A vida da população foi afetada pelas toneladas de areia sal e pesticidas, usadas na plantações de algodão e carregados pelo vento diariamente, atingindo uma área de 300 quilômetros com aumento dos índices de câncer de garganta e doenças respiratórias. Atualmente as populações ribeirinhas utilizam a água desses rios com alto grau de pesticidas e esgotos devido a baixa qualidade do saneamento básico.
O exemplo do Mar de Aral deveria, se possível fosse, ser estudado no intuito de avaliarem consequências de erros passados. Além do desastre ambiental, o que não é pouca coisa, ocorre o desastre humanitário com o desemprego de chefes de família que viviam da pesca, e além de ver seu volume reduzido, estão sujeitos a contaminação pelos poluentes pesticidas usados nas plantações. Neste exemplo não podemos responsabilizar a ganância capitalista, mas sim a ignorância comunista, que deveria ser avaliada porque outros casos estão ocorrendo, provocando desastres ambientais e humanitários pelo planeta.
Uma conclusão parece não ser precipitada: a de que o futuro sombrio dos desastres ambientais e suas consequências, parece que já fazem parte do presente entre nós.

Anúncios
Esse post foi publicado em geral. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Desenvolvimento não sustentável

  1. Gabriel disse:

    Olá amigo,
    só gostaria de corrigir uma coisa em seu texto, a parte do solo semi-arido, que na verdade é o clima semi-arido.

    e qt a ganancia capitalista ou ignorancia comunista, acredito que em ambos se manifestaram os dois fenomenos. Ignorancia e ganancia.
    Grandes erros da humanidade.
    abraços
    Gabriel

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s