Síndrome do Ocaso

Pesquisa publicado pela The American Journal of Psychiatry realizada em 25 pacientes entre 60 e 88 anos e 11 com doença de Alzheimer, buscou determinar as mudanças de ritmos circadianos ou ciclos de sono e alterações nos níveis de melatonina. Segundo investigadores a doença de Alzheimer, idosos ou pessoas em processo de demência são as mais vulneráveis apresentando manifestações mais intensas dos distúrbios do ritmo e do sono. Surge aí a Síndrome do Ocaso ou Sundown associando mudanças biológicas e psicológicas ao pôr do sol quando da modificação de suas rotinas como as mudanças de horário. Sundown seria definido como início ou exacerbação de distúrbios do comportamento associados ao meio dia ou a noite. Já o termo Sundowing fica restrito a doença de Alzheimer pela ocorrência ou exacerbação dos sintomas comportamentais a tarde ou a noite. Entre os principais sintomas estão agitação, confusão, ansiedade e irritabilidade que podem passar desapercebidos pela baixa intensidade ou hora. O detalhe é que se associam as rotinas vivenciadas que normalizam o comportamento.
A síndrome do Ocaso não é consenso científico sendo que mudanças comportamentais podem ser atribuídas a outros fatores ambientais, inserindo aí o desejo de retorno a casa pós trabalho a noite ou horas de trabalho noturnas. Ao passo que o sundowing é conhecido entre cuidadores de pessoas com patologias demenciais. Já o ritmo circadiano abrange um período de 24 hs sobre o qual se baseia o ciclo biológico, influenciado pela variação de luz, marés, temperatura, ventos noturnos e diurnos. Reflete-se na temperatura corporal, no stress, secreção hormonal, reações psicológicas, melatonina e produção de hemácias. A pesquisa acima foi baseada em ritmos circadianos de temperatura corporal e na atividade motora sendo os pacientes com Alzheimer separados de acordo com o sundowning observado. Daí observaram que indivíduos doentes apresentavam menor atividade motora diurna em prol da atividade noturna, ao passo que a estabilidade motora também era menor durante o dia e o tempo de pico motor mais tardio que em indivíduos sadios. Apresentaram temperatura corporal mais elevada com amplitude da curva da temperatura corporal e retardo do tempo de pico da temperatura corporal, sendo relacionada a gravidade do sundowing pós temperatura.
Questionamentos a parte, alterações circadianas são mais evidentes nas demências em geral e na ocorrência de modificações na rotina da população e em crianças, vide horário de verão por exemplo. Importante compreender que alterações corporais ou distúrbios comportamentais leves devem ser melhor estudados e compreendidos. Como exemplo, atitudes simples como medidas ambientais visando regular a luz ambiente, pelas desordens de sono ou apetite principalmente em adultos e crianças devem ser experienciadas. Ajustes nos horários de refeições, adiantando ou atrasando, podem minimizar questões simples antes que se tornem graves problemas.

Anúncios
Publicado em geral | Marcado com , , , | Deixe um comentário

New Tumblr post: “Tweeted” https://t.co/rbkwc7xgfJ IFTTT, Twitter

http://twitter.com/uminstante/status/1082680819427225601

from Blogger http://bit.ly/2Cbud8k
via SEO Services

Publicado em News Updates | Marcado com , , | Deixe um comentário

Cibernética financeira

Grandes instituições financeiras por conta de receio na perda de credibilidade do sistema, relutam avisar ataques cibernéticos. Agências Europeias de Supervisão de Risco, avisam que os ataques cibernéticos afetam cada vez mais o sistema, considerando um sistema interconectado, ameaça a integridade e confiabilidade das operações interbancárias de dados. Relatório do FBI publicado pela Associação de Banqueiros Americanos, diz que infecções ransomware causaram 1.6 milhões de dólares em perdas a empresas e indivíduos em 2015. O ataque de ransoware é por meio de um software malicioso ou malware que criptografa arquivos de uma instituição ou empresa ou usuário, bloqueando o acesso a seus sistemas de computador até que o usuário pague uma taxa de libertação ao cibercriminoso. Tudo através do lançamento de um popup que nos leva a pagar o resgate, geralmente feito em moeda virtual ou bitcoin por exemplo.
As vulnerabilidades do sistema financeiro aparecem no World Wide Interbank Telecommunication Finance Society com sede em Bruxelas e conhecida pela sigla SWIFT. Trata-se de Cooperativa que gerencia serviços de correio internacional entre bancos, criada em 1977 com centralização das Operações na Virgínia. Pratica serviços de pagamento da rede interbancária global, englobando mais de 11 mil entidades no mundo inteiro incluindo bancos ou corporações e abrangendo cerca de um milhão de ordens bancárias diárias. Tem sido relatado pela imprensa internacional, vários ataques cibernéticos resultando em roubo de milhões de dólares. O método é sempre o mesmo, grupos de hackers expĺoram as vulnerabilidades nos sistemas informáticos bancários interligados, que cedem o controle de credenciais para acesso a rede global. As indicações são que malweres simples são detectados nos sistemas computacionais de clientes, que contornam os controles e iniciam processos de transferência de fundos.
Parece aceito por todos que o sistema financeiro no pós guerra se consolidou com a hegemonia do dólar como moeda mãe, iniciando processo de desregulamentação a partir da década de 70 e atropelado pela revolução tecnológica via globalização, desfazendo fronteiras, deixando o sistema bancário no mundo inteiro a margem de regras estatais. Parece aceito que o modelo financeiro como está colocado, começa a sofrer pressão consequente aos avanços tecnológicos imposto por uma economia virtual, até aqui, sem ideias de governos como regulamentar. Parâmetros como moeda única nacional política e atrelada ao dólar, mostram enfraquecimento devido a criação e imposição das moedas virtuais que segmentam a economia e a tornam temática, visando melhor otimização das transações financeiras e sua segurança. Parece também que aos poucos se impõe uma economia com mais de uma moeda ou multi monetária, como prevista por economistas que preconizaram a receita neoliberal.

Publicado em geral | Marcado com , , , | Deixe um comentário

Obsoleto

A computação evolui por conta do maior poder de armazenamento de dados ou velocidade no processamento da informação, devido a inteligência artificial e aprendizagem profunda através do reconhecimento de objetos e tradução vocal em tempo real. O software de aprendizagem profunda imita a atividade das camadas do córtex cerebral, precisamente a substância cinza do cérebro, onde se processa o pensamento. Nesta ideia simulam uma gama enorme de neurônios em rede artificial, na qual aprende e reconhece padrões de sons, imagens ou outros dados. A medida que melhoram fórmulas matemáticas e as máquinas adquirem melhor escala, torna-se mais poderosa a ciência da computação modelando cada vez mais as camadas de neurônios virtuais.
O Google é um dos exemplos mais plausíveis de sucesso por seus recursos de computação, que necessitam gigantescos centros de dados. Uma filial da empresa tem conseguido progressos interessantes na aprendizagem profunda, desenvolvendo ao motor de busca e demais serviços, uma infra estrutura para torná-los mais rápidos através do treinamento de neurônios virtuais em um universo de 16 mil processadores. Utilizando o método de dividir tarefas de computação entre várias máquinas, acelera a formação de redes neurais de aprendizagem profunda permitindo a empresa trabalhar com redes cada vez maiores e utilizando cada vez mais dados. Quer dizer, o banco de dados pode aprender de forma automática o meio mais adequado em gerenciar seus dados financeiros por exemplo e tal procedimento difere do gerenciamento de informações de redes sociais. Por meio da atividade de aprendizado profundo, pode-se usar um aplicativo que buscaria a melhor maneira em responder a determinados hábitos do usuário. Vale dizer que a AP permite personalização automática a partir da CPU, acessando padrões específicos do usuário e otimizando sistemas genéricos e de hardware.
A novidade da aprendizagem profunda corre pela tendência dos computadores na diminuição da efetividade a medida que envelhecem e a dificuldade em trabalhar com softwares mais novos. Um típico exemplo é a Apple, colocada sob questão pela lentidão decorrente a degradação de baterias. O Google desenvolve projeto visando aprender e executar as funções computacionais mais rapidamente e melhor, utilizando a aprendizagem profunda e uma técnica chamada de pré busca visando acelerar a execução do programa, reduzindo instruções do processador e o tempo de espera pela memória central, desaguando na capacidade da máquina em levar menos tempo no processamento da informação e remoção de memória. Tal efeito reduz gargalos, semelhante o preload do linux, que faz exatamente isso. Fato é que abre espaço a aprendizagem profunda aplicada em todos os componentes da máquina para melhor interação com o usuário.

Publicado em geral | Marcado com , , | Deixe um comentário

Biodiversidade

A VI reunião plenária da IPBES ou Plataforma Intergovernamental para Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos, painel independente composto por cientistas e representantes de 189 estados membros da ONU, apresentou cinco relatórios de três anos de trabalho nos continentes menos Antártica e águas internacionais avaliando danos causados a fauna, flora e solos. Nesta pesquisa trabalharam 600 cientistas compilando dados de 10 mil publicações destrinchando as mudanças climáticas decorrentes da atividade humana, afetando temperatura, precipitações pluviométricas e a natureza dos eventos extremos, acentuando a perda da biodiversidade, o agravamento da degradação do habitat pela poluição, o impacto das espécies invasoras e stress na sobre exploração de recursos.
De forma resumida, consideram no caso da América que as alterações climáticas em relação as pressões impostas pelo uso da terra no período do assentamento europeu, provocaram um dano 31 vezes maior. O clima será o fator de crescimento mais rápido afetando a biodiversidade de forma negativa e em 2050, mais de 60% das línguas e culturas estarão em dificuldades ou em perigo de extinção, decorrente deterioração e dissociação de estilos de vida ambiental. Avaliam que o valor econômico das contribuições da terra é de U$ 24 trilhões/ano o equivalente a todo o PIB da região, com queda de 65% ou dois terços e em alguns setores 21%. O relatório mostra que a aquicultura asiática é inssustentável, a sobrepesca e suas operações são de carácter destrutivo ameaçando ecossistemas costeiros e marinhos e em prevalecendo este rítmo, em 2048 todos os recursos pesqueiros serão esgotados com 90% dos corais severamente degradados. No caso europeu o desequilíbrio das capacidades biológicas renováveis são compensados pela Europa Oriental norte e central. No caso da UE 7% das espécies marinhas e 9% dos habitats apresentam estado de conservação favorável, enquanto 27% das espécies e 66% dos habitats estão em estado desfavorável.
O relatório conclui que em 2050 por conta da ação humana e mudanças climáticas, a América perderá 40% das espécies animais, a África 50% e a Ásia em 30 anos poderá ficar sem a sua atividade pesqueira. Conclui ainda que o desenvolvimento sustentável para facilitar o maior crescimento econômico, deverá estar dissociado da degradação da diversidade biológica e do abandono dos sistemas tradicionais do uso da terra e da perda de práticas de conhecimento local e indígena como ocorre na Europa e Ásia. Avisam que consequências de ameaças a ecossistemas costeiros, planícies e ilhas, afetam distribuição das espécies populacionais, reprodução e período de migração, com consequente frequência de surtos de pragas e doenças. Aponta o sucesso das áreas de proteção marinha na Ásia, que nos últimos 25 anos aumentou 14% e as áreas de terra protegida em 3%. Além do aumento da cobertura florestal em 2,5% mais evidente no nordeste asiático com 22,9% e no sul com 5,8%, issuficientes para conter a perda da biodiversidade e da diminuição do valor das contribuições da natureza ao desenvolvimento humano. O inventário está feito.

Publicado em geral | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Opniões e crenças

Estudo de ressonância magnética analisado por mecanismos neurocomputacionais, envolvendo adaptação de nossos pontos de vista relacionados a determinado grupo e feito pelo Instituto Francês de Ciência Cognitiva, revelou que o cérebro pondera a segurança de nossa opinião em relação a credibilidade das ideias alheias. Quer dizer, existem mecanismos cerebrais envolvendo a tomada de decisão coletiva. Vão mais além, identificam duas regiões cerebrais em questão, uma, avaliando a segurança de nossa opinião e outra estimando a credibilidade da opinião dos outros. Surge aí outro problema, o desconhecimento a respeito da adaptação de nossas opiniões quando da evolução dos fatos em si, ou, como o cérebro procede na integração das opiniões e crenças, entendido aqui como informação individual, contrapostos por argumentos e opiniões dos outros, entendido aqui como informação social.
Nesta balada surge o raciocínio Bayesiano estatístico, evidenciando observações utilizadas para atualizar a probabilidade de uma hipótese ser verdadeira. Voltando a ressonância, viram que a atualização dos pontos de vista se faz no córtex anterior enquanto a estimativa da credibilidade e informação social se faz no córtex frontal. Concluíram que a conectividade entre estas regiões reflete na influência sobre a credibilidade da informação social, quer dizer, dar crédito ou não sem importar se verdade ou não.
Tudo isto vai desaguar numa questão bem prática e humana, ou, que nossos preconceitos estão tão arraigados ao nosso ser que nos embota a visão da realidade. A questão dos preconceitos interfere na capacidade de levar em conta a realidade, comprometendo nossa capacidade em modificar opiniões ou decisões. Avaliam que o preconceito impede uma saída a determinado conflito, por vezes mais forte que nossos pensamentos, obscurecendo a nossa capacidade em considerar fatos concretos e reais. Isto se dá, pela capacidade humana de ignorar fatos que por ventura entrem em conflito com nossos preconceitos. Outra capacidade humana evidenciada no estudo é a escolha preferencial pela rota mais fácil, sem a percepção das consequências futuras das decisões tomadas. Daí o estudo conclui que a objetividade completa é ilusão, considerando objetividade como qualidade daquilo que é justo ou apartidário.

Publicado em geral | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Atos e sentidos

Ciência ensina que ojeriza é uma emoção básica com vistas a sobrevivência, quer dizer, a repulsa reduziria nossa percepção sensorial do entorno. Deste modo, o ato de sentir repugnância por algo ou alguém (?) é proteção contra aquilo que supomos perigoso ou infeccioso, portanto desejamos evitar. Neste contexto cientistas desenvolveram uma teoria supondo conexão entre sentimentos de desgosto e como o indivíduo se posicionaria na sociedade organizada. Desenvolveram-na com indicações que o forte instinto ao odor desagradável, provocaria distanciamento a grupos diversos mantendo-os separados. Por conta do distanciamento de odores, as pessoas tenderiam a preferir sociedades com separação de grupos, obviamente com os indesejados longe.
O resultado dessa pesquisa foi publicado na Royal Society Open Science, sugerindo que pontos de vista políticos autoritários são inatos e difíceis de mudar. Evidente que as crenças podem mudar e serem atualizadas e a convivência com grupos separados tenderiam também a mudar. A questão do olfato na repugnância aos odores, se insere na psicologia política relacionada ao autoritarismo tentando explicar tendências políticas atuais. Autoritarismo ressurgiu como um tema de pesquisa em psicologia política, parecendo relevante em explicar tendências políticas atuais. A associação entre atitudes autoritárias e repugnância ou desgosto, decorrem de emoção tentando proteger-se de algo desagradável e portanto sujeito a contaminação, que poderia ameaçar a integridade física do autoritário. O asco a determinado odor corporal é um sistema primitivo de regulação interpessoal visando evitar doenças e que levaria a atitudes autoritárias.
Isso é uma das tantas tentativas em explicar o autoritarismo atual na Casa Branca, por conta de seu presidente prevendo sua repugnância vista por funções sensoriais básicas, inserido na onda crescente, evidencia atitudes sociais contemporâneas. Daí a ciência comportamental sugerir que nossas atitudes são governadas por um sistema imunológico também comportamental. Baseados em mecanismos psicológicos que teriam evoluído na detecção de sinais de ameaças de agentes patogênicos para a sobrevivência e saúde, ativariam repostas cognitivas das supostas ameaças ocasionando comportamentos de fuga. O asco, a ojeriza, o desgosto ou a repugnância poderiam evoluir como mecanismo de defesa visando proteção contra a contaminação nociva e incidindo em nosso comportamento social de forma mais ou menos contundente. O problema é quando tais questões se relacionam ao chefe da economia mais forte do planeta, envolvendo milhões de pessoas em suas mazelas. Aí, pega.

Publicado em geral | Marcado com , , , | Deixe um comentário